segunda-feira, 7 de abril de 2014

Friendship








"A friend hears the song in your heart and sings it to you when your memory fails."

sexta-feira, 5 de outubro de 2012

Escravos do Tempo





ESCRAVOS DO TEMPO
TEMPO ACELERADO – VIDA SATURADA

Nossos antepassados percebiam o tempo pela passagem dos dias,
pelas variações climáticas, pelos ciclos de nascimento e morte. A vida era feita
de acontecimentos naturais e cíclicos, dos quais o homem participava, mais ou
menos passivamente, integrado à natureza, como parte do ciclo. Já, na vida
moderna, os acontecimentos são, cada vez mais, produtos de convenções. É a
hora de acordar, a hora do trabalho, a hora do almoço, a hora do jogo, a hora
da novela, a hora do noticiário, a hora de dormir. O tempo dos homens não se
submete mais aos ciclos naturais. O homem cria eventos, é o senhor das
horas, o dono do tempo. Programa e sincroniza tudo para que a organização
artificial da civilização econômica funcione a contento. E, a cada dia, novas
convenções são criadas, na forma de produtos e serviços que multiplicam os
acontecimentos. Assim, o tempo se acelera, pois a mesma duração é povoada
por um número cada vez maior de eventos. O tempo moderno é mais rico, mais
coisas se criam, mudam e desaparecem a uma velocidade cada vez maior.
Mas, a aceleração das mudanças traz embutido o aumento do risco, vive-se
em permanente crise.
A cada instante novas oportunidades se descortinam em todos os
campos, de maneira interligada e interdependente: na vida profissional e na
pessoal, no lazer e no trabalho. Os interesses, os vários papéis que
assumimos, espicaçados pelas inúmeras ofertas e possibilidades, também se
multiplicam. Atualmente, é raro encontrar uma pessoa que tenha uma única
área de interesse. Cada vez mais, pode-se conhecer mais sobre mais
assuntos, experimentar mais situações distintas, abrir-se a novos pontos de
vista. Os profissionais tornam-se especialistas-generalistas. E, na ânsia de se
realizar em tantos e distintos campos, no afã de aproveitar as tantas
oportunidades que se descortinam, saturam a própria disponibilidade. Vivem
ansiosos, com um grande medo de perder tempo.
Por medo de “perder tempo” todos se ocupam rapidamente. Reagem às
demandas e oportunidades saturando o tempo com atividades.
Contraditoriamente, queixam-se da falta de tempo livre, mas logo tratam de
ocupá-lo. Vivem na urgência, acossados pela perspectiva da perda, tangidos
pelas demandas, sem tempo para questionar.
Mas tempo livre não é tempo ocioso, e sim aquele cujo uso é decidido
livremente, conforme as próprias prioridades. É justamente quando se
questiona o que fazer no tempo livre, que surgem, de fato, as questões
fundamentais sobre o que se quer da vida (sentido) e quem se é, afinal
(identidade). Então, o uso do tempo torna-se uma questão moral, ética.
Ocupadas e sem tempo livre para pensar, as pessoas perdem o sentido da
vida e tudo que fazem parece irrelevante. Levadas pelas circunstâncias,
reagem como vítimas do tempo.

TEMPO FRACIONADO – VIDA SUPERFICIAL

Sem tempo livre para a reflexão, a ansiedades toma conta. A
multiplicidade de eventos que se apresentam fraciona o tempo de tal maneira
que não se consegue dar atenção a nada. Nada merece consideração maior do
que alguns minutos. Nenhuma questão pode ser profunda. Os resultados
precisam ser práticos e imediatos. A vida torna-se superficial e apressada.
Quem tem tempo para amar ou para fazer diferença? O amor e a honra
perderam a essência do seu valor. Buscam-se a aparência e o efeito,
desvinculados da essência, da prática das virtudes que são sua causa. O
desejo é de sexo – o amor instantâneo que não precisa ser cultivado e mantido
pela atenção. O desejo é de dinheiro fácil – a influência imediata que não
precise de trabalho e moderação. O desejo é de fama instantânea – a glória
rápida que não requer esforço e mérito. Inverte-se o ideal platônico, quanto
mais aparente e efêmero, melhor. A aparência vale mais do que a essência. Se
tudo muda e nada permanece, então a imagem instantânea é tudo. O que
importa é parecer, o ser torna-se secundário. Informática, comunicações,
internet, moda, notícia, lazer, terapias psi, todas as indústrias de serviços da
sociedade pós-manufatura vivem da manipulação de imagens.
Numa sociedade virtual, em que milhares de versões se multiplicam sem
que ninguém saiba se há um fato, a versão precede o fato e acaba por criá-lo.
Os criadores de versões adquirem poderes demiúrgicos, de criar realidades a
partir de virtualidades. A mágica se torna uma ciência e vice-versa.
A pressa, o ritmo acelerado da vida torna-se um vício. Semelhante à
nicotina, à cocaína e a outras drogas que, uma vez experimentadas,
demandam doses cada vez maiores, a adrenalina, decorrente do estresse e
da pressa, também vicia. Se, antes, a comunicação por carta satisfazia,
hoje se fica impaciente diante do e-mail que demora segundos para ser
visualizado, ou puxa-se ansiosamente o papel da máquina de fax, porque
demora a sair. Antes se ia a pé para o trabalho. Hoje se buzina
ansiosamente porque o carro da frente demora três segundos para arrancar
quando o sinal abre. Quando os carros surgiram, a velocidade de 60 km/h
assustava. Hoje, as pessoas ficam ansiosas ao dirigir a essa "baixa"
velocidade.
A vida sem urgência parece perder a graça. A capacidade de reagir
rápido parece ser mais importante do que a de agir adequadamente. Assim,
abdica-se daquilo que distingue o homem dos outros animais e dos autômatos:
a capacidade de escolher como agir, ao invés de reagir de maneira
padronizada. A TI - Tecnologia da Informação torna os usuários cada vez
mais eficientes. Realmente, hoje se pode fazer mais em menos tempo. Mas
a que preço?
A TI cria uma distorção: valorizar mais a eficiência do que a eficácia.
Valoriza-se mais a resposta rápida do que o questionamento do resultado
que se pretende e isto faz com que as pessoas não tenham tempo para
pensar, questionar, entender. Tornam-se vítimas das circunstâncias e perdem
a influência sobre elas. Ouso afirmar que quanto mais "tecnoI6gica" é
a pessoa, menores são as suas chances de ser eficaz, de fazer diferença e,
de modo geral, de sentir-se realizada. Por quê? Porque a tecnologia
multiplicou as interações e acelerou a capacidade de reagir a elas. E a
reação rápida de base emocional nem sempre é a melhor do ponto de vista
racional. A TI acaba por produzir tiques (nervosos).
O culto ao instantâneo tem dois efeitos maléficos: 1) a frustração de
verificar que mesmo com ferramentas mais rápidas, versáteis e portáteis, a
capacidade de entendimento não aumenta; 2) o estreitamento do horizonte
de tempo, priorizando a adaptação às circunstâncias imediatas em detrimento
de uma visão crítica que possa modificá-Ias no longo prazo. Assim
cria-se uma distorção da perspectiva do tempo e da vida e o que preocupa
é que esses efeitos afetam ainda mais, e cada vez mais, os jovens.

TEMPO SINCRONIZADO - VIDA AMARRADA


Esta é a era das organizações e dos sistemas. A complexidade da vida
moderna, desde as atividades mais rotineiras até as mais elaboradas, exige o
trabalho conjugado de várias equipes. A contribuição individual autônoma do
inventor solitário ou do artesão, praticamente desapareceu, exceto, talvez, nas
artes. O trabalho é tão complexo e envolve a mobilização de tantos recursos
que apenas uma organização ou uma rede de relacionamentos pode levá-Io a
cabo.
Ora, para que tantas pessoas trabalhem de maneira organizada, com
objetivos comuns, é preciso que as suas vidas estejam sincronizadas. Criam-se
amarras de tempo entre elas, pois a organização requer controle centralizado
da sincronização das partes. Foi nos mosteiros da Europa medieval que os
relógios imprecisos (clepsidras) e locais (relógios de sol) até então usados
começaram a ser substituídos por relógios mecânicos mais precisos. O termo
horarium é cunhado para atender à necessidade de estruturar e regular o
trabalho no mosteiro e na comunidade em torno do tempo dedicado à oração,
marcado por relógios mecânicos e anunciado por sinos para sincronizar a
todos.
Com a aceleração dos eventos, a necessidade de sincronização se afina.
Já não são mais os carrilhões a marcar as horas, mas bips eletrônicos a soar a
cada segundo. A economia globalizada funciona como um grande sistema que
encerra todo o planeta numa malha de horários, que regula as trocas e
interações mútuas. Em todas as esferas de suas vidas, as pessoas estão
sincronizadas segundo a segundo, num ritmo único e cada vez mais acelerado,
marcado por horários de trabalho, de estudo, de refeições, de reuniões, dos
bancos, das lojas, das bolsas, do noticiário, da TV, do esporte, do cinema e do
teatro. "Sem perceber, o homem civilizado, como Gulliver em Lilliput, encontrase
preso por milhões de tênues fios. Isolados, mal são percebidos; juntos,
privam-no da sua liberdade.”

TEMPO PARTILHADO - VIDA QUEBRADA

O relógio deixa de ser um instrumento para tornar-se o ditador supremo
da vida. Todos esquecem o porquê dos relógios e dos horários, esquecem que
marcam hora para sincronizar a sua vida com a dos outros de modo
interdependente. O cumprimento do horário se torna mais importante do que a
interação em si, o relógio importa mais do que o outro. Pior, ao invés de
assumir compromissos de forma espontânea e integral, alguns se
comprometem com "o relógio" de forma automática e dependente. Encaram os
compromissos como algo a que devem se submeter contra a vontade, uma
obrigação sem liberdade de escolha.
Com esta atitude, externalizam a responsabilidade. E então o "eu", agente
autônomo, já não está lá. Agem como vítimas do compromisso, o qual se torna
um símbolo da sua fraqueza, um reforço negativo para sua auto-imagem. Ter
compromissos, ter "hora", torna-se um fardo. Atlas esmagado sob o peso do
mundo.
A tendência geral é compartimentalizar a vida em horários e em personalidades
bipartidas. Das 8 às 18h, existe uma pessoa, das 18h em diante,
outra. Parece que não se age mais como pessoa integral, pois personalidades
distintas são incorporadas em função do horário. Pior, são personalidades em
conflito umas com as outras, dentro da mesma pessoa, de modo neurótico. Foise
a inteireza e, talvez até, a integridade.

TEMPO CONSUMIDO - VIDA VAZIA

Todos têm as mesmas 24 horas por dia. O que se faz com elas se
chama vida. Ter tempo significa ter vida. Mas pode-se "ter" vida? Esta é uma
outra face da confusão dos tempos modernos, que gira em tomo do conceito
de emprego e que embala o adágio de que "tempo é dinheiro".
Tempo é muito mais do que dinheiro. Conseguir dinheiro é uma questão
de tempo, mas o inverso não é verdadeiro. Tempo não é uma questão de
dinheiro. Tempo é vida. E o valor da vida não tem preço. Meu tempo é minha
vida. É tudo que me acontece e que eu faço acontecer. Administrar bem o
tempo é viver bem. Mas a questão é: o que é viver bem? Esta é uma questão
moral, de valor, de prioridades. Na sociedade de consumo parece que viver
bem é ter dinheiro para comprar o que se quiser. Será mesmo?
Todos dizem que trabalham para ganhar a vida, para subsistir, ter o que
comer e vestir, onde dormir. Porém, imagine que você perdesse o emprego ou
a sua fonte de sustento. Você, realmente, não teria onde dormir, não teria o
que comer e vestir? Ou poderia perfeitamente viver com menos, aceitando a
ajuda ou mesmo a dependência de outros? Embora a maioria das pessoas não
tenha problemas efetivos de subsistência, parece que todos têm urgência em
ganhar a vida para sobreviver, o que se traduz em fazer coisas que gerem
dinheiro para pagar as contas. Mas estas contas devem-se, em grande parte, à
forma consumista como se usa o tempo livre. Ao invés de usá-Io de forma
produtiva e criativa, a grande maioria das pessoas utiliza o seu tempo livre em
consumo, sem grande correlação com qualquer necessidade efetiva. O próprio
lazer virou mercadoria. Assim, o tempo do trabalho é visto como o tempo que
se vende e não como um período livre para criar, produzir e contribuir. O
próprio trabalho é encarado como um encargo necessário e não como uma
contribuição espontânea. Em que isso difere de uma mentalidade escrava?
Todos são chamados a consumir através de apelos mais ou menos
sutis, que mexem com as emoções e interferem nas noções de valor. Na
sociedade de consumo tudo vira mercadoria. A noção de valor é expressa em
cifras. O dinheiro é o ídolo, e o mercado é o juiz supremo. A religião já ocupou
este lugar. Na sociedade medieval o valor se expressava na salvação e o juiz
era a Igreja. Ter e possuir cada vez mais coisas toma-se, em muitos casos, um
outro vício, sem relação com as noções de necessidade e utilidade. Pessoas
tomam "banhos de loja", compram de forma compulsiva e consomem acima
das suas possibilidades financeiras, endividando-se e criando uma poderosa
carga de estresse adicional.
A sociedade moderna cultua o mito do ócio como ideal de vida, e o
trabalho duro como caminho para atingi-lo. Depois de "ganhar a vida" vendendo
suas horas de trabalho, o empregado visualiza a aposentadoria como
um éden de ócio, sem nada para fazer. Trabalha como escravo do tempo,
como se criasse uma poupança de tempo futura, quando, então sim, irá viver.
Em horizontes de tempo mais estreitos, a história se repete. Trabalha-se
durante a semana para "viver" no fim de semana. Trabalha-se um ano para
"gozar" nas férias. E, então, a superficialidade cobra seu preço na forma de
tédio. Após algum tempo ocupando-se com distrações, o vazio de uma vida
sem sentido toma o ócio insuportável. Isso ocorre com muitos aposentados,
com todos os desempregados e pode ocorrer também em períodos de férias ou
até mesmo em fins de semana.
De fato, o tempo do lazer é aquele em que se desenvolve uma atividade
livre da pressão da necessidade, mas cujo sentido, significado e finalidade são
dados pela própria pessoa. Não se trata apenas de "matar o tempo", como no
ócio, mas de preenchê-Io com algo que responda às necessidades de
realização pessoal. Este lazer, produtivo e criador, absorve; a pessoa usa
todas as suas energias e, paradoxalmente, se revigora. Ou seja, o verdadeiro
lazer é uma forma de preencher o tempo livre de modo produtivo e livre.
Portanto, o lazer pode acontecer no trabalho. Não naquela forma de trabalho
alienado em que se troca tempo (e vida) por dinheiro. Mas no trabalho que dá
sentido à vida da pessoa, que desenvolve suas potencialidades, que lhe
permite estabelecer vínculos de cooperação com outros.
No entanto, o lazer moderno toma-se um produto de consumo para o
tempo ocioso. Todo um setor de serviços oferece lazer empacotado, prépronto,
na forma de distração de consumo rápido que transforma o lazer em
puro ócio. O lazer não é mais desfrutado, mas consumido ansiosamente. São
tantas as opções que o afã de lazer estressa tanto quanto o trabalho. E a
superficialidade acaba por entediar, exigindo cada vez mais doses de
distração. Este tipo distorcido de lazer toma-se também um vício, avidamente
buscado e proporcionado em doses maciças pela sociedade de consumo.
Além disso, a confusão tempo/dinheiro leva a querer "poupar" tempo.
Deixar para depois toda a realização mais significativa, que sempre envolve
uma aplicação mais demorada, sem frutos imediatos.
Pensa-se antes no dinheiro renovável e esquece-se do tempo insubstituível.
Todos esquecem que o consumo implica demandas sobre o tempo. Por
exemplo, uma pessoa que deseja comprar um barco, pensa antes nas suas
possibilidades financeiras, sem levar em conta o tempo necessário para
escolher, desfrutar e manter este novo brinquedo que, eventualmente, dadas
as suas outras prioridades, poderá ficar sem uso.
Os valores que compõem a superestrutura cultural da sociedade de
consumo não se harmonizam com muitas das "virtudes aristotélicas": a
moderação, a justiça, a solidariedade e talvez até a integridade, mas principalmente,
o amor. Cria-se uma versão de consumo empobreci da velha história
da música de Casablanca, que serve de epígrafe a este capítulo, em que "a
luta por amor e glória" torna-se uma "luta por sexo e dinheiro".

TEMPO EFÊMERO - VIDA VIRTUAL

Todos idolatram a inovação, o conhecimento e a informação como se
fossem fins em si mesmos. Esquecem que a informação é apenas um
instrumento, embora seja um poderoso cinzel. Ao invés de usá-Ia como
escultores, muitos se deixam moldar por ela, tornando-se as próprias esculturas.
Aqui, vale citar Tzvetan Todorov: "A ciência não produz valores, só
conhecimento, a política e a moral é que produzem valores. Toda pretensão de
fundar a política ou a moral sobre a ciência é uma impostura, porque se
pretende que são por razões científicas que preferimos uma política a outra. Na
realidade, é sempre porque nossa vontade escolheu tal valor ou outro".
Há uma enorme indústria de mídia, cuja matéria-prima é a novidade, a
notícia que, depois de consumida, perde seu valor. O diferencial competitivo
entre produtos, empresas e pessoas, relacionado à inovação, é cada vez
mais efêmero. Se um produto inovador faz sucesso, logo em seguida é
copiado. Se uma empresa inova na forma de prestar um serviço, logo é
imitada. A velocidade de difusão da informação torna a diferença efêmera, a
obsolescência rápida e faz da padronização a regra. A qualidade total, em
produtos e serviços, normatizada e adotada universalmente, é um requisito
que, em pouco, não constitui mais diferença.
A moda, impulsionada pela mídia e pela comunicação, também é cada
vez mais universal e, paradoxalmente, efêmera. Há uma moda universal, de
massa, e uma moda local, segmentada. Só que o "local" não tem mais nada
a ver com a localização geográfica. A comunicação entre grupos com
interesses comuns cria estilos de vida típicos, independentes de origem ou
país. O vínculo cultural local e natural é substituído por um vínculo cultural
virtual e adotado. Estudam-se hábitos de consumo, os tipos são
catalogados e classificados por um mercado fornecedor que lhes oferece
produtos sob medida. Neste processo, a diferenciação é catalogada, estereotipada
e produto e consumidor se padronizam mutuamente.
A pessoa não mais interessa. Interessa a imagem que ela projeta. A
mídia celebra a imagem. As relações não se fundam mais na convivência,
no relacionamento, não há tempo para isso. As relações são trocas pontuais
e fragmentadas, retalhos de imagens projetadas nos diversos meios em que
o indivíduo circula. Nessa lufa-Iufa, não é de se admirar que os indivíduos
percam a noção de si mesmos. Afinal quem sou eu? Onde está o meu valor
como pessoa? A resposta a estas questões fundamentais é dada
rapidamente, pois, afinal, não há tempo a perder. Fica-se na casca da
personalidade, nas "personas", nas máscaras sociais, nas imagens
projetadas. "Fulano é um executivo de sucesso. Seu valor pode ser atestado
pelo crescimento da sua empresa." E então o próprio fulano se vê assim.
Quem sou eu? Sou um executivo de sucesso! Um papel assume a
preponderância e nele se centra toda a sua vida. Não é de se admirar que
lhe falte equilíbrio, que se sinta muitas vezes um pai medíocre ou uma
pessoa sem amigos verdadeiros. É natural que se sinta inseguro em relação
ao seu valor pessoal, pois o valor da imagem na qual está centrado lhe
pode ser retirado, de uma hora para a outra, por circunstâncias fora do seu
controle.
Administrar o tempo-vida é uma questão de valores e de autoconhecimento.
É uma questão ética e moral. É uma única questão que não se
situa no campo da administração ou da economia, mas no da filosofia. E
esta questão é: "O que fazer do meu tempo?". A resposta que cada um dá a
esta questão define o significado e o valor da sua vida.
Os dois pilares da sabedoria no templo de ApoIo, em Delfos, eram:
"Conhece-te a ti mesmo" e "Nada em excesso": autoconhecimento e equilíbrio.
Até que ponto conhecer e aceitar a si mesmo e até que ponto mudar? Até que
ponto aceitar as circunstâncias e até que ponto buscar modificá-Ias?
Reconhecer que a mudança interior é a base necessária para a mudança das
circunstâncias. Refletir sobre estas questões é o que torna as pessoas livres e
responsáveis, homens de ouro, na acepção platônica. Este é o início da correta
administração do tempo. Não ter tempo para elas é escolher manter-se como
homens de ferro, escravos do tempo.

Texto extraído do livro “A Arte de Planejar o Tempo” de Jaime Wagner, Ed.
Literalis.

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Feitiço







"O único poder que possuo é o da minha intensa fragilidade. E não há lugar para a insensibilidade no mundo que habito!"(Emy Avelar)



I put a Spell on you...








Noite




Noche abajo los dos. Cristal de pena,
llorabas tú por hondas lejanías.
Mi dolor era un grupo de agonías
sobre tu débil corazón de arena.
GARCIA LORCA

terça-feira, 11 de setembro de 2012

segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Encerramenro dos Jogos Paraolimpicos London 2012

London 2012  Paralympic Games Closing Ceremony












  Coldplay/Rhyana!!!!! Princess of China





Coldplay/Rhyana!!!!! We found Love & When I ruled de World
 

domingo, 2 de setembro de 2012

Ser tudo no agora

Por mais longa que pareça ser a nossa jornada, nunca existe nada mais do que isto: um passo, um sopro, um momento - agora...